Banco de leite materno do Distrito Federal precisa de doações

Os meses de dezembro, janeiro e fevereiro costumam registrar menores índice de doação de leite materno devido à indisponibilidade de doadoras. A Secretaria de Saúde do Distrito Federal alerta que o período de férias escolares pode, por exemplo, deixar a doadora que já tem outros filhos ainda mais atribulada com os cuidados das crianças, além de abrir espaço para viagens e recepção de parentes, que também contribuem para a baixa no número de doações.

De janeiro a novembro deste ano, a Rede de Banco de Leite Humano do Distrito Federal recebeu 16.795,6 litros de leite materno doados por 6.461 mulheres. O insumo serviu a 13.279 bebês.

A média mensal do período chega a 1.526,8 litros – superior a 1,5 mil litros, quantidade que mantém os estoques em nível de segurança, mas inferior ao registrado no ano passado, quando a média mensal foi de 1.604,7 litros.

A meta é chegar a dois mil litros de leite materno doados por mês, para atender com sobra crianças internadas e, porventura, ampliar a cobertura a outros casos. De acordo com a secretaria, toda mulher em boas condições de saúde que esteja amamentando ou ordenhando leite para o próprio filho e que se disponha a doar voluntariamente pode participar da chamada rede de solidariedade.

Máscaras e potes

Caso tenha interesse em doar, a mãe recebe em casa um kit contendo máscara, touca e potes esterilizados para fazer a coleta, entregues pelo Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, que retorna posteriormente para recolher as doações. Ainda segundo a pasta, o processo de doação é simples e qualquer quantidade doada é bem-vinda. A mulher deve identificar a data da primeira coleta no pote e, ao fim da ordenha, armazená-lo no congelador.

“Não é preciso se preocupar em encher o pote de uma vez. Basta colocar o líquido no frasco que está no congelador com a ajuda de um copo de vidro esterilizado nas próximas ocasiões. A doação deve ser entregue ao banco de leite em até 15 dias, então quando começar a encher o pote já entre em contato”, informou a secretaria.

Coletado, o leite materno passa por uma análise criteriosa. Cumprindo as condições necessárias, o insumo é armazenado em um novo frasco e parte segue para a pasteurização. Em seguida, há o controle microbiológico, que mostra se a pasteurização foi realmente efetiva, para que, enfim, esteja pronto para uso. Todo o processo dura até 48 horas.

O Banco de Leite Humano também oferece uma rede de suporte a mulheres em fase de amamentação. As mães que desejarem doar devem ligar no 160 (opção 4) ou se cadastrar no site do Amamenta Brasília. Mais informações podem ser obtidas aqui.

, Paula Laboissière – Repórter da Agência Brasil

Fonte: Agencia Brasil